segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Aula 4

AULA TEÓRICA 04 - CICLO DAS RELAÇÕES PATÓGENO-HOSPEDEIRO: VÍRUS E VIRÓIDES

Na aula teórica dessa semana, relembramos algumas características importantes dos vírus de plantas como constituição, formas e dimensões. Vimos que para que uma virose se desenvolva são necessários:

ü  planta hospedeira suscetível,
ü  vírus capaz de causar doença,
ü  vetor para que o vírus seja transmitido e
ü  ambiente (capaz de influenciar os três primeiros componentes).

Os vírus de plantas podem ser disseminados via sementes, enxertia/material propagativo infectado, mecanicamente (operações culturais) e por vetores. Dentre os vetores de vírus de plantas, podemos destacar os insetos (afídeos, mosca branca, cigarrinhas, tripes e besouros), ácaros, fungos e nematóides.

O quadro abaixo possui informações a respeito dos tipos de relações vírus-vetor. Mas antes de entender as relações, alguns conceitos DEVEM estar claros:
Tempo de aquisição: Período mínimo de alimentação do vetor na planta para a aquisição do vírus.
Tempo de transmissão: Período mínimo de alimentação do vetor na planta para a transmissão do vírus.
Latência: Período entre a aquisição e o início da transmissão do vírus pelo vetor.


Tipos de relações vírus/vetores
Os vírus infectam as plantas sistemicamente. As partículas virais inicialmente são depositadas no local de infecção e se movem através dos plasmodesmas até atingirem os vasos do floema. Não existe produto que seja capaz de matar o vírus presente em uma planta doente sem matá-la também, pois como é sabido, os mesmos vivem no interior da célula hospedeira. Dessa forma, é de grande importância o conhecimento da relação vírus-vetor por parte dos profissionais, para que esses possam permear estratégias de controle pertinentes a cada caso, reduzindo os prejuízos ao produtor.

Relembremos 2 exemplos práticos discutidos em aula.

Exemplo 1: Vírus do mosaico do mamoeiro.
Sobrevivência: mamoeiros e cucurbitáceas, sem transmissão via sementes, vetores: inúmeras espécies de pulgões que não colonizam o mamoeiro, relação vírus/vetor: NÃO PERSISTENTE (picada de prova= picadas superficiais, rápidas e em grande número).

Exemplo 2: Vírus do vira cabeça do tomateiro.
Sobrevivência em mais de 150 espécies vegetais, sem transmissão via semente, vetores: tripes, relação vírus/vetor: PERSISTENTE PROPAGATIVO (aquisição do vírus somente no estadio de larva – 15 minutos, vírus se multiplica no inseto que o transmite durante toda vida).

Supondo que você seja o agrônomo responsável em decidir a respeito do controle químico em ambos os casos, você o faria? Se você lembrou-se da nossa aula com certeza iria dizer que no exemplo 1 não! Não existe inseticida que mate o inseto em poucos segundos ou minutos, antes que ele transmita o vírus para plantas sadias (que nesse caso ocorre em questão de segundos). No exemplo 2 o controle químico é possível, pois o vetor demora um tempo maior para transmitir o vírus de uma planta doente para sadia, embora será mais eficiente na disseminação secundária (dentro da plantação) do que  na disseminação primárias (de fora para dentro da plantação).

Viróides: Possuem molécula de RNA circular sem capa protéica; são os menores agentes infecciosos capazes de causar doença, são encontrados somente em plantas e podem ser transmitidos via pólen, semente e mecanicamente.



AULA PRÁTICA 4 - Classificação de doenças de plantas
Esta semana vimos que existem algumas maneiras de classificar as doenças de plantas, como por exemplo, baseando se no agente causal, no hospedeiro ou nos processos fisiológicos do hospedeiro que são interferidos pelas doenças (classificação de McNew).

 
Nessa semana vimos:
Grupo I – Podridões de órgãos de reserva: Neste grupo os sintomas típicos é podridão mole, devido à ação de enzimas celulolíticas e pectinolíticas, e podridão seca que podem ocorrem em frutos, sementes e órgão de reserva. Como estratégias de controle para esse grupo de doenças podemos utilizar atmosfera modificada, armazenamento em baixas temperaturas, controle químico preventivo e principalmente evitar ferimentos nos órgão colhidos.

Vimos Pectobacteriumsp. em pimentões e batatas.
 
 
Rhizopus sp. em morangos.
 

 Penicillium sp. em tangerinas.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário